Cultura e Turismo Cultura para Todos promove a participação ativa das comunidades e a empregabilidade Ambiente Cortes no abastecimento de água Atualidade Paulo Cunha destacou a importância da sustentabilidade na construção da Smart CitieEmpreendedorismo e Inovação Sim Bombons, um promissor e sustentável negócio COVID-19 Famalicão assegura refeições escolares a todos os alunos que necessitemCultura e Turismo Obras de renovação e restauro concedem traça original à Casa de CamiloAtualidade INE recruta 11 mil recenseadores para os Censos 2021 para conhecer os portuguesesCOVID-19 Marchas Antoninas 2021 canceladasCOVID-19 Câmara de Famalicão implementa novas medidas para o período de confinamentoCOVID-19 Famalicão alarga entrega gratuita de refeições ao domicílio para todos os dias da semana ao jantarSaúde Câmara equipa dez infraestruturas municipais com desfibrilhadores automáticosAmbiente Realização de podas na Avenida 25 de AbrilAtualidade Famalicenses mostram veia solidária Freguesias Joane vai ganhar um novo espaço multiusosEmpreendedorismo e Inovação Pão fresco à porta de casa chega ao digitalAtualidade Intervenção urgente vai obrigar ao corte de trânsito na Rotunda Parque 1.º de MaioMobilidade Intervenção na Rotunda do Parque 1º de Maio obriga alterações ao trânsito entre 15 e 31 de janeiroCOVID-19 Técnicos do município apoiam no rastreio à Covid 19Reabilitação Urbana Programa Estratégico de Reabilitação Urbana para o centro de Famalicão está em discussão públicaCultura e Turismo Casa das Artes mantém oferta diversificada para todos os públicosCultura e Turismo “Programar em Rede” com candidaturas abertasReabilitação Urbana Centro urbano de Famalicão vai ter sistema inovador de drenagens sustentáveisAtualidade Famalicão cancela Carnaval 2021Educação Rede de formação profissional com 400 mil horas disponíveis
O SEU LUGAR

Residentes / Urbanismo Gestão Urbanística

Licenciamento de Atividades

Selecione uma opção


Sistema de Indústria Responsável - SIR

O Sistema de Indústria Responsável – SIR, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 169/2012 de 1 de agosto, vem regular o exercício da atividade industrial, a instalação das novas zonas empresariais e a acreditação de entidades no âmbito do licenciamento industrial.

Tem como objetivo o reforço de transparência e a simplificação dos procedimentos, transferindo para os industriais e para os outros intervenientes nos procedimentos uma maior responsabilidade, reforçando os mecanismos de controlo para uma fase posterior.

O referido diploma aplica-se às atividades industriais mencionadas no anexo I do SIR, com exclusão das atividades industriais inseridas em estabelecimentos comerciais ou de restauração ou bebidas.

Qual a classificação dos estabelecimentos industriais?

Tipo 1: estabelecimentos de risco mais elevado e que se encontrem abrangidos por pelo menos um dos seguintes regimes jurídicos: regime jurídico de impacte ambiental (RJAIA), regime jurídico da prevenção e controlo integrado da poluição (RJPCIP) e regime de prevenção de acidentes graves que envolvam substâncias perigosas (RPAG).

Tipo 2: São os estabelecimentos industriais não inseridos no tipo 1 e que se encontrem abrangidos por pelo menos um dos seguintes regime jurídicos ou circunstâncias:
_ Potência elétrica contratada igual ou superior a 99 kVA;
_ Potência térmica superior a 12 × 106 kJ/h;
_ Número de trabalhadores superior a 20;
_ Necessidade de obtenção de TEGEE;
_ Necessidade de obtenção de alvará ou parecer para operações de gestão de resíduos, nos termos do Decreto – Lei n.º 178/2006, de 5 de setembro, alterado pelo Decreto – Lei n.º 173/2008, de 26 de agosto, pela Lei n.º 64-A/2008, de 31 de dezembro, e pelos Decretos - Leis n.os 183/2009, de 10 de agosto, e 73/2011, de 17 de junho.

Tipo 3: São os estabelecimentos industriais não abrangidos pelos tipos 1 e 2.

Sempre que um estabelecimento industrial esteja abrangido por mais que uma tipologia, inclui-se no tipo mais exigente.

Qual o procedimento?

Indústrias Tipo 1_ Regime de Autorização Prévia


Indústrias Tipo 2_ Regime de Comunicação Prévia com Prazo


Indústrias Tipo 3_ Regime de Mera Comunicação Prévia
O comprovativo da submissão da mera comunicação prévia no Balcão do Empreendedor, juntamente com o comprovativo do pagamento das respetivas taxas, constituem título bastante para o exercício da atividade. No entanto, caso a atividade utilize matéria-prima de origem animal não transformada, a exploração, está sujeita a vistoria prévia.

Como se faz a articulação com o RJUE?

Tratando-se de um estabelecimento industrial do tipo 1 ou 2 e quando a instalação, ampliação ou alteração envolva a realização de uma operação urbanística, o requerente pode apresentar na câmara municipal, antes de ter iniciado o procedimento de autorização prévia, no caso das indústrias do tipo 1, ou comunicação prévia com prazo, no caso das indústrias do tipo 2:

_ Pedido de informação prévia sobre a operação urbanística;
_ Pedido de licença ou comunicação prévia.

Quando se trata de um pedido de licença ou comunicação prévia, a Câmara Municipal só pode decidir sobre a operação urbanística, após a Entidade Coordenadora emitir uma decisão favorável ou favorável condicionada.

No caso de se tratar de uma indústria do tipo 3 e quando a instalação, ampliação ou alteração envolva a realização de uma operação urbanística, sujeita a controlo prévio, o requerente deve apresentar em primeiro lugar, o processo na câmara municipal e só após a obtenção do alvará de autorização de utilização ou verificado o respetivo deferimento tácito, pode apresentar a mera comunicação prévia.

Qual o procedimento para as indústrias de pequena dimensão?

Quando as indústrias têm até 5 trabalhadores, potência elétrica contratada não superior a 15 kVA, potência térmica não superior a 4 x 105 kJ/h e estão devidamente identificadas na parte 2-A do anexo I do SIR, pode ser autorizada a sua instalação em prédio urbano destinado a habitação, desde que não sejam ultrapassados os limites máximos de produção legalmente estabelecidos e desde que não ocorra impacto relevante do equilíbrio urbano e ambiental.

Se os estabelecimentos industriais, apesar de excederem os valores acima referidos, possuírem características de uma indústria tipo 3 e estiverem identificados na parte 2-A e 2-B, pode ser admitida a sua instalação, desde que não ocorra impacto relevante do equilíbrio urbano e ambiental, em edifícios cujo alvará de autorização de utilização se destine a comércio ou serviços.

Quando devo efetuar as vistorias de reexame?

Os estabelecimentos industriais do tipo 1 e 2 estão sujeitos a vistorias de reexame, de 7 em 7 anos, contados a partir da data de emissão do título de exploração, salvo se existir legislação específica para a atividade que exija outras circunstâncias.

Como proceder no caso de alterar o estabelecimento industrial?

Ficam sujeitos ao regime de autorização prévia, os estabelecimentos industriais que alterem as condições dos seguintes regimes jurídicos: RJAIA, RJPCIP e RPAG.

E, aplica-se o regime de comunicação prévia com prazo, às alterações dos estabelecimentos do tipo 1 e 2, não sujeitos ao regime de autorização prévia, sempre que resultem um aumento de 30% da capacidade produtiva existente da área edificada ao do estabelecimento industrial, ou quando a entidade coordenadora considere que existe maior grau de risco ou perigosidade. Fica ainda sujeito ao regime de comunicação prévia com prazo, a alteração dos estabelecimentos do tipo 3 que impliquem a sua classificação como tipo 2.

Quais as entidades responsáveis?

Nota

Estas informações não dispensam a consulta da legislação aplicável.

Legislação

Sistema de indústria responsável _ SIR
Decreto-Lei n.º169/2012 de 1 de agosto

Identifica os requisitos formais do formulário e os elementos instrutórios que devem acompanhar os procedimentos de autorização prévia, de comunicação prévia com prazo e de mera comunicação respeitantes à instalação, exploração e alteração de estabelecimentos industriais
Portaria n.º 302/2013 de 16 de outubro

Contactos úteis

Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão

Direção Geral de Energia e Geologia

Av. 5 de Outubro, nº 87
1069-039 LISBOA
T. 217 922 700/217 922 800
F. 217 939 540
W. www.energia@dgeg.pt
E. dgeg.pt


Direção Regional da Economia do Norte

Rua Direita do Viso, n.º 120
4769-002 PORTO
T. 226 192 000
F. 226 192 199
Horário Geral
09:30 às 12:30 e das 14:00 às 17:00
W. www.dre-norte.min-economia.pt
E. dre-norte@drn.min-economia.pt


Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (Braga)

Rua Dr. Francisco Duarte, n.º365, 1º
4715-017 BRAGA
T. 253 206 400
F. 253 206 401
W. www.drapn.min-agricultura.pt
E. geral@drapn.mamaot.pt


Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (Porto)

Estrada exterior da Circunvalação, n.º11846
4460-281 SENHORA DA HORA
T. 229 574 010
F. 229 574 039
W. www.drapn.min-agricultura.pt
E. geral@drapn.mamaot.pt